O Desconhecido

Arte: Dmitry Brodetsky

Arte: Dmitry Brodetsky

O Desconhecido

Senti novamente
aquele aperto no peito,
aquele sentido no sentir,
aquela impaciência de se ter,
aquele momento de se ser.

Fui outra vez
pelo caminho tantas vezes percorrido,
pela mão de quem nunca me largou,
pelo céu que nunca foi meu,
pelas folhas derramadas no véu.

Temo novamente
os assaltos da chuva no rosto,
os soluços da trovoada na voz,
o acanhamento que encobre a liberdade,
a timidez que máscara a verdade.

Avanço outra vez
nas pegadas deixadas na areia,
no soalho encerado de fresco,
nos passos que outrora conheci,
no chão que nunca vivi.

E quando me perder
nas águas que recolho,
saberei poder ainda viver
no caminho que desfolho.

Dulce Morais

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

8 respostas a O Desconhecido

  1. É na persistência do nunca desistir que tudo, quando menos esperamos, se ajeita. Lindíssimo Dulce! Gr. Bj.!

  2. DULCE DOCE !!! LINDO E FORTE !!! ADORO SEU ESTILO !!! ACHO REALMENTE MAGNÍFICO !!! FELIZ NATAL UM GRANDE E AFETUOSO BEIJO Pedro Pugliese

  3. Isa Lisboa diz:

    Por vezes temos que o enfrentar, mesmo que ele nos traga chuva…!
    Beijinho

  4. “E quando me perder
    nas águas que recolho,
    saberei poder ainda viver
    no caminho que desfolho ”

    Sabe que sou fã de carteira de tudo que escreve .

  5. Evanir diz:

    Que Deus abençoe seu Natal
    seja uma noite linda junto dos seus familiares,
    pois é uma noite muito especial.
    Que as estrelas dos céus brilhe sobre
    todos nós.
    Obrigada por ter convivido
    comigo mais um ano ,
    que você contiue com um lindo sorriso sendo
    anjo bom na minha vida.
    Um abraço e meu carinho.
    Um Feliz Natal para você e sua preciosa
    família.
    Que o amor de Deus
    esteja em nossos corações sempre.
    Carinhosamente, Evanir.

  6. É sempre um êxtase as suas poesias Dulce, e esta é mais uma de suas obras-primas. Gostei de tudo desde o início ao fim … Parabéns ! Beijo no seu coração

  7. Joo Carlos Lima LIMA diz:

    Centelhas que voam cedo se apagam! Essa, acesa permanece crescendo!!!

    Em 20 de dezembro de 2013 18:08, Crazy 40 Blog

  8. Dulce, muito lindo o poema e muito bem escolhida a imagem. Vou tentar aprender com a minha querida D a ler nas entrelinhas. Acho que consigo. Em princípio me chamou a atenção esse verso:

    Temo novamente
    os assaltos da chuva no rosto,
    os soluços da trovoada na voz,
    o acanhamento que encobre a liberdade,
    a timidez que máscara a verdade.

    Adoro ler você.
    Um abraço grande,
    Manoel

Obrigada pelo vosso comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s