Não é um véu

Imagem: Autor desconhecido

Imagem: Autor desconhecido

Não é um véu

Não é um véu que cobre o meu rosto. São sombras de mim que no espaço viajam para melhor esconder o que sou.
Entre o sonho e a realidade passeio, como um sonâmbulo que nunca dormiria. Como um naturalista que nunca observaria a natureza.
Há no espaço entre mim e eu um vazio que preencho, uma porta que atravesso. Quero ser a minha realidade ancorada no meu sonho. Sou pequeno. Sou vão. Talvez não seja eu nada. O devaneio me faz viver. O meu combustível é a imaginação que me leva através das paisagens que nunca vi e dos amores que nunca vivi.
Venham então as sombras cobrir-me para que me não vejam. Fechem-me os olhos para que eu não seja. Mas deixem-me voar através da ponte que me une ao mundo.

Dulce Morais

A minha participação
no desafio do grupo Voar na Poesia,
também disponível aqui.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

20 respostas a Não é um véu

  1. Entre o sonho e a realidade muito do que somos se revela… Mas depende de nós deixar que um ou outro prevaleça. Belíssimo Dulce! Gr. Bj.!

    • Doce Cris,
      Depende de nós e é um trabalho de cada dia que seja sempre o melhor que reste à superfície… 🙂
      Obrigada por estares aqui, minha linda!
      Beijinhos grandes!

  2. toda a escrita tem um véu ou um reflexo de nós,,,

    muito belo!

    🙂

  3. Ruthia diz:

    Belíssimo voo, capaz de nos transportar consigo por esse mundo mágico da poesia.
    Retire essa sombra, que serve de véu, porque o seu verdadeiro “eu” é digno de ser admirado.
    Beijinho, uma boa semana
    Ruthia d’O Berço do Mundo

    • Muito obrigada, querida Ruthia! O meu véu tomba sempre que aqui deixo voar as palavras…
      Quanto ao véu da personagem deste curto texto, quem sabe o que advirá do seu véu 😉
      Beijinhos e uma boa semana para si também!

  4. “Há no espaço entre mim e eu um vazio que preencho, uma porta que atravesso. Quero ser a minha realidade ancorada no meu sonho. Sou pequeno. Sou vão. Talvez não seja eu nada. ”

    Magnífico!
    Dulce, meus vazios também são preenchidos quando leio e tomo posse de escritos como esse.

  5. Ser um vão no próprio espaço, que imagem linda e que texto delicado

  6. Dulce, achei fantástico o poema. Traz reflexões essenciais e universais sobre o que somos, o que não somos e que podemos quando é dada à nossa mente o “combustível” certo. Meus parabéns por mais esse maravilhoso poema.

  7. Isa Lisboa diz:

    Vamos preenchendo esse vazio, cada dia. Quando damos por isso, estamos completas 🙂
    Beijinhos

  8. Dulce, esta é uma prosa muito poética. Identifiquei-me. =D

  9. Paula Brum diz:

    Maravilhoso, querida. Esse inspirou meu dia. Abraços!!!

Obrigada pelo vosso comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s