Qual o meu nome?

Arte: Peter Harskamp

Arte: Peter Harskamp

Qual o meu nome?

Qual o meu nome?
Talvez seja essa sonoridade
que ouço todos os dias
e leio no olhar
dos que me amam.
Sei, sou diferente!
Mas do meu mundo
vejo o teu.
Sinto o medo
e a tristeza
no vosso carinho.
Deixem-me ficar
neste mundo,
neste meu ninho.

Qual o meu nome?
Talvez seja essa lembrança,
esse sonho por concretizar,
esse filho que sonhaste.
É preciso cobri-lo
do lençol da luz apagada
e fazer-lhe, dignamente,
um funeral,
assim, na vossa mente.
Sei, sou diferente!
Mas do meu mundo
sinto amor por ti.
Não pelo que me dizes,
mas pelo que desejas dar-me.
Se pouco percebo das tuas complicações,
sei que o que sinto é puro.

Qual o meu nome?
Ensina-mo e oferece-mo.
Mesmo quando o recusar
saberei aceitá-lo.
E longe de ti,
do meu mundo,
saberás que o senti.

Dulce Morais

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

18 respostas a Qual o meu nome?

  1. Em nome dos sentimentos silentes. Que lindo!

  2. Vanessa diz:

    Às vezes os nomes não são tão essenciais quanto os sentimentos 😉

  3. Quando a gente sente o nome é o que menos importa. Arrisco dizer que é para o que mais nos toca que faltam palavras. Assim como nesse momento, quando não sei expressar a beleza do poema e da arte a ele conjugada.

    Gr. Bj.!

  4. David diz:

    Li e reli,
    confesso que não compreendi.
    Mas, saber ler no olhar,
    não é pra toda a gente.
    AMOR…quem ama,
    não precisa de nome,
    simplesmente ama,
    com todas as diferenças
    que possa encontrar.
    E se o amor sente,
    seja no teu ou noutro mundo,
    sente-se tudo, sente-se gente!…
    E quando o amor
    é sentido de verdade…
    Ao esfumar-se o seu calor
    e o amor se consome,
    provoca tal ansiedade,
    que restam calafrios e dor.
    AMOR…sinto necessidade de dizer!
    Mas, palavras leva-as o vento,
    mesmo que esteja de calmaria…
    Mesmo sendo de mudo lamento
    ou de sublime alegria,
    quem as iria compreender?
    Tu? Talvez um dia,
    se tempo o permitir
    porque, ele está sempre
    em constante fugir.

  5. Tantas coisas por ai, e eu nem sabia seu nome.
    Adorei o espaço.
    Fiquei!!!

  6. Olá, Dulce. Lindo e delicado poema.
    Parabéns!

  7. Qual o seu nome? – perguntou insistentemente.
    E a voz, do outro lado, sussurra a resposta:
    – Desejo!

    Lindo demais Dulce!!!

    Beijos!!!

Obrigada pelo vosso comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s