Estranho

Estranho

Da estranheza não há nada
que deva ser explicado.
A vida é apenas um grão de areia
que por um sopro pode ser levado.
Resta o sentir
do grão
na palma da mão.
Uma carícia a desfrutar
por saber quão efémera é.
E do sentir
resta a comunhão
de mentes que se encontram,
sabendo-se diferentes
com sabor a ventos quentes,
que no deserto voam
e melodias entoam.

Dulce Morais

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

11 respostas a Estranho

  1. Dulce, gostei muitíssimo do seu poema.
    De fato a vida é assim mesmo, um grão, com um inevitável sopro certeiro pra cada um de nós.
    Gostei em especial do trecho final “resta a comunhão de mentes que se encontram…”
    Parabéns pela sensibilidade e profundidade nos versos!

  2. Barbaridade, que bom início de ano. Linda, linda, linda

  3. Rancho das Crônicas! diz:

    Belo poema. Parabéns

  4. Clau Assi diz:

    Que suavidade!!! Suas letras encantam sempre!!!

  5. Lindo poema e linda tela. Obrigada por postar.

  6. Isa Lisboa diz:

    Dulce, venho desejar um Feliz Natal e um excelente 2015, com tudo de bom para o Crazy40 Blog! 🙂

    Um beijinho

Obrigada pelo vosso comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s