Água – com Alexandre Cimatti

Arte: Anna Elissa

Arte: Anna Elissa

Água – com Alexandre Cimatti

Nela nascemos e nela vivemos. Nela nos abraçamos e nela morremos. Nela nos encontramos para melhor nos beijar.

Em mim, os faço e refaço, a cada tempo, estilhaço por estilhaço… espaço pouco onda muita… transbordo enquanto passo da porta ao paço; peçam, que verei o quanto posso, no que não me impeça, para os liquefazer, pois…
Em mim, os faço e refaço…

Nela mergulhamos os pedaços do nós para afogar o que não podemos ser. E o elemento, tão impossível a captar, capta-nos e preenche-nos. São ondas que nos invadem a cada instante. Levam-nos além para que possamos flutuar em nós. Acolhe-nos, ó água! Bebe-nos para nos dar a vida.

Em mim, os tenho e retenho; por mais que sejam ilhas, por mais que contenham continentes, ao atravessarem do nada ao nada, é por mim que nadam… é por mim que nada são… é em mim que nada sou: espaço de travessia, de procura infinita, de estudo e melancolia… até o dia líquido do mergulho expansivo em que memória seremos, pois fomos. E só porque…
Em mim, os tenho e retenho…

Nela nos compomos uma terra de líquido preenchida. Nos braços das ondas, no sal que nos pica, na vida que a preenche, saberemos então o que não podemos ser. Porque, ser a sede, só ela pode saber. Somos sedentos do que ela nos cede. Fomos tudo menos ela, por nela sempre viver. Prisioneiros do elemento transparente, no reflexo de outras cores, ao azul nos entregamos. Liberta-nos, ó água! Mata em nós a pretensão de ser sem viver.

Em mim, os guardo e resguardo, não haveria conforto maior e único para seres tão múltiplos, não haveria descanso melhor e úmido para seres tão públicos. Os levarei a mim, sempre; os lavarei em mim, sempre… seremos o sêmen do que foi e será, pois…
Em mim, os guardo e resguardo…

Alexandre Cimatti e Dulce Morais

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

12 respostas a Água – com Alexandre Cimatti

  1. Que texto bacana. Capturar outras percepções sobre o real, que no caso pode ser a água, que se tornam abstratas também, é algo dificílimo. Pensarei na água de uma maneira totalmente diferente agora.

    Um abraço,

  2. Ruthia diz:

    Amiga Dulce, julgo que a cada leitura encontraremos novas imagens e (re)interpretações. Belas, sublinhe-se. Pelo que voltarei um dia destes para esse prazer do reencontro.
    Abraço, votos de uma linda semana
    Ruthia d’O Berço do Mundo

  3. mariel diz:

    Passo, guardo e retenho. Lindo!

  4. Vou divulgar no meu blogue, Dulce para, pelo menos assim o pretendo, dar maior destaque a esta delícia.

    • De novo, Paulo, só posso agradecer o seu carinho para com esta criação que tive a honra de escrever com o Alexandre.
      O talento dele é incontornável!
      Um abraço!

  5. Excelente.
    Muitos parabéns!

  6. Mariana Gouveia diz:

    Parceria boa!
    Lindo, Dulce! Beijos

Obrigada pelo vosso comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s