Preâmbulo

Preâmbulo

Sobre a mesa dispuseram-se todos os utensílios necessários. São pincéis de todas as qualidades e matérias, cores de todas as origens, paletas já usadas, como caleidoscópios frágeis onde se aplica a matéria de forma incoerente para construir uma visão involuntária em pigmentos caóticos. Também há, pousados lado a lado, os produtos dissolventes dos quais emana o incomparável cheiro que inebria a mente, como se fosse das tonturas assim provocadas que nascessem as formas esculpidas na alma que permite o que outros chamam arte.

Sobre outra mesa, frente à primeira, um único objecto pousado. Ao contrário do habitual, a verticalidade foi esquecida, para lhe ser preferida a horizontalidade da tela. Como as crianças que pousam sobre a mesa de uma sala de aulas a folha branca antes de desenhar sonhos pueris com lápis de cor, a tela foi aqui disposta horizontalmente para permitir ao homem desenhar sonhos diferentes, nascidos numa alma despedaçada por visões estranhas acumuladas ao longo de uma vida desperdiçada no inútil.

Ao centro, entre as duas mesas, o rosto crispado pela concentração, os olhos perdidos em devaneios, as mãos ainda inertes, o artista observa sem ver. Descalço, deixa o frio do cimento que constitui o piso daquele lugar invadir a planta dos pés até ter a sensação de congelar por dentro. Só o acto de espalhar as cores na tela poderá aquecer um pouco as entranhas petrificadas. Mas, antes de chegar a esse ponto, será necessário vencer a luta que se trava no peito. Após tantos anos daquela prática a que tantos pretendem e que tão poucos conseguem, o homem sabe que só o resultado da batalha interna, seja ele uma vitória triunfante ou uma derrota amarga, permite libertar as mãos que serão, em seguida, capazes de aplicar, de forma aparentemente incoerente, as cores na tela que aguarda.

Em silêncio, o artista parece conversar com a matéria ali disposta. Faz parte da luta e há muito que o devaneio insano que ameaça em permanência virar loucura pura, foi aceite. Se existe risco de afundar-se na irrealidade, nunca o calculou e não deseja sequer considerá-lo.

Nele, nasceu aquela sensação terrível que acelera o ritmo cardíaco, faz tremer os membros e embacia a visão. Já o tinha sentido nascer desde que ali entrou, e agora pode aceitá-lo: o medo! O que o motiva é inconcebível, inexplicável. E ninguém pede explicações. Por desagradável que seja, é essa sensação que desperta algures nos meandros do cérebro a produção da adrenalina que se espalha rapidamente pelas veias.

As mãos começam a tremer. É incontrolável mas o homem aprendeu há muito a não tentar controlar. Por fim, pega no material que o seu instinto escolhe e dirigindo-se à tela, numa voz que não é a sua, diz:

– Permite-me derramar sobre ti uma parte de mim!

Dulce Morais

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

Uma resposta a Preâmbulo

  1. mariel diz:

    Ler foi estar na sala. A descrição do processo, que coisa. Arte, muita arte

Obrigada pelo vosso comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s