Madrugada

Madrugada

Quando o Sol ainda hesita, entre aquecer a manhã e cegar a paisagem, paira no ar a névoa noturna depositando nas pétalas gotas que mais tarde se tornarão orvalho.

A bruma penetra cada poro da pele de quem se atreve a essa hora a percorrer o mundo. Preenche o peito daquele sentimento que faz compreender que nada somos. Um traço de eternidade sentido num sopro. Um rasto de ausência à beira do dia que talvez não veremos.

A humidade racha a alma e prolonga a dor do pesadelo nas reminiscências do sonho ainda por terminar. Nessa hora incerta entre a noite e o seu fim, vem acender-se a luz da maresia na lâmina afiada.

Arte: Dawn Fiodor Aleksandrovich Vasilyev http://www.allartclassic.com/pictures.php

Arte: Dawn
Fiodor Aleksandrovich Vasilyev
http://www.allartclassic.com/pictures.php

É apenas a madrugada.
Um rasto de noite num dia ainda por nascer.
É apenas o despertar.
Um dia anunciado num apelo a tudo recomeçar.

Dulce Morais

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

Obrigada pelo vosso comentário!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s